I Workshop de fármacos no ambiente: cenários e desafios

Universidade de Aveiro, Portugal

24 de outubro de 2018

Objetivos

O crescente uso de fármacos na sociedade atual comporta riscos para o ambiente que não são ainda completamente conhecidos.

O ambiente aquático está particularmente exposto a resíduos de fármacos onde vários grupos de organismos aquáticos (por ex. vertebrados e invertebrados) contendo alvos metabólicos e recetores semelhantes aos humanos sofrem os efeitos destes compostos.

O conhecimento aprofundado destes cenários e sua possível resolução ou mitigação só pode ser alcançado através de uma abordagem interdisciplinar em que intervêm diversos agentes essenciais:

  • as instituições científicas com a caracterização da toxicidade dos resíduos encontrados em organismos não alvo e com o desenvolvimento de técnicas analíticas que permitam a monitorização química dos compostos ao longo do tempo;
  • a indústria farmacêutica;
  • as empresas de gestão de água e de tratamentos de águas residuais;
  • as entidades com poder decisor na regulamentação e criação de políticas que protejam os maiores interesses de saúde humana e ambiental.

Este workshop pretende assim ser um primeiro passo para estabelecer esta rede de intervenientes em prol de um futuro mais sustentável e visa estabelecer um fórum privilegiado de discussão construtiva entre os diversos atores acima referidos, no sentido de aproximar perspetivas complementares e fomentar o contacto, com vista à elaboração de projeto de índole técnica e científica dentro da área dos resíduos dos medicamentos no ambiente.

Os Departamentos de Biologia e de Química, e o Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro contam com diversos profissionais cuja atividade se tem dedicado quase em exclusivo a esta problemática ao longo das duas últimas décadas, com projetos em curso e centenas de publicações na área, que visam avaliar e caracterizar os potenciais efeitos ecotoxicológicos dos resíduos dos fármacos quando no ambiente.

Este workshop será realizado no dia 24 de Outubro de 2018 e terá entrada livre.

Será vocacionado para a participação de profissionais das diversas áreas afins do medicamento e do ambiente, incluindo estudantes, técnicos, cientistas, decisores e demais profissionais interessados.

No entanto, o número de inscrições estará limitado à capacidade da sala que a Universidade de Aveiro disponibilizou para o efeito.
O evento terá lugar no anfiteatro do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Aveiro (2º piso).

Comissão Organizadora

Bruno Nunes

Bruno Nunes, licenciado em ciências farmacêuticas pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, e Doutorado em Ciências Biomédicas pelo Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto, desenvolve desde 2000 trabalho na área da avaliação ecotoxicológica de medicamentos de utilização humana e veterinária, bem como de ferramentas analíticas para caracterizar e quantificar estes efeitos. Tem desenvolvido projetos tanto nacionais como internacionais na área, dos quais resultaram mais de 80 publicações, e orientação de teses de doutoramento e de mestrado, e a participação em múltiplos eventos da especialidade.

Inês Domingues

Inês Domingues licenciou-se em Biologia em 2000 na Universidade do Porto e doutorou-se em 2007 na Universidade de Aveiro onde desde então tem desenvolvido a sua atividade na área da ecotoxicologia usando como organismo modelo o peixe zebra (Danio rerio) para estudar os efeitos de diversos contaminantes ambientais incluindo fármacos e pesticidas. Tem um especial interesse na utilização do comportamento (atividade locomotora) como parâmetro de avaliação dos efeitos de compostos químicos.

Rosa freitas

Rosa Freitas is a Researcher at the University of Aveiro (UA). She has been investigating the performance of marine biological resources under a changing environment, assessing the toxicity of different stressors, namely classic contaminants and climate change (CC) related factors. More recently she has been investigating the toxicity of contaminants of emergent concern (CECs), including commonly used pharmaceuticals. As a result of her research she has published more 130 papers. She currently leads a team of more than 20 members, including post-docs, PhD and MSc students, and grant holders, creating a network with international institutions. Rosa Freitas has also been committed to attract funding to UA, being PI or member at the UA of several national and international projects. At the Biology Dep. (UA) she has been teaching at MSc and BSc programs since 2010.

Horário Palestra
9:30 Abertura: Dr. Ricardo Calado - Em representação da direção do Departamento de Biologia, UA
Dra. Ana Lillebo - Coordenadora do laboratório associado CESAM
9:45 Dr. Bruno Nunes - Paracetamol: uma caixinha de surpresas ambiental
10:15 Dra. Margarida Valente - Remoção de Fármacos na Água Destinada ao Consumo Humano - Um Desafio Emergente
10:45 Coffe Break
11:15 Dra. Ana Felix - Uma só saúde: o paradigma e a tríade epidemiológica
11:45 Dra. Maria de Fátima Alpendurada - Contribuição do IAREN para o estudo de Resíduos Farmacêuticos no Meio Ambiente: Resultados obtidos em estudos feitos nos Rios Douro , Cávado e Leça. Estudos de remoção por processos de oxidação avançada
12:15 Almoço
14:00 Dra. Maria Leonor Meisel - Avaliação preditiva do risco ecoambiental do medicamentos de ação farmacológica – uma análise crítica
14:30 Dr. Valdemar Esteves - Photo-degradation of organic contaminants namely pharmaceuticals in aqueous matrices: behaviour under complex matrices
15:00 Eng. Pedro Pacheco - A Indústria Farmacêutica e a Gestão da Água: caso concreto dos Laboratórios Basi
15:30 Coffe Break
16:00 Dra. Célia M. Manaia - Contaminant antibiotic resistance in aquatic environments
16:30 Dra. Carmen Lima- comunicação em vídeo Perspetiva cidadã sobre a questão dos fármacos no ambiente
17:00 Encerramento: Dr. Carlos Martins- Secretário de Estado do Ambiente

Oradores Convidados

Paracetamol: uma caixinha de surpresas ambiental

Apesar de ser uma das drogas terapêuticas mais seguras e portanto utilizadas em terapêutica humana, o paracetamol suscita presentemente questões ambientais relevantes. Tal como muitas outras substâncias de elevada utilização, o paracetamol encontra-se presente em concentrações elevadas no compartimento aquático, onde pode exercer toxidade. Esta intervenção irá passar em revista dados toxicológicos para uma grande variedade de organismos e de variado tipologia e consequências, e pretende assim utilizar o exemplo do paracetamol de modo a ilustrar os efeitos ecotoxicológicos potenciais que advêm da presença de drogas de utilização farmacêutica no ambiente.

Sobre o Orador:
Bruno Nunes, licenciado em ciências farmacêuticas pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e Doutorado em Ciências Biomédicas pelo Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto, desenvolve desde 2000 trabalho na área da avaliação ecotoxicológica de medicamentos de utilização humana e veterinária, bem como de ferramentas analíticas para caracterizar e quantificar estes efeitos. Tem desenvolvido projetos tanto nacionais como internacionais na área, dos quais resultaram mais de 80 publicações, e orientação de teses de doutoramento e de mestrado, e a participação em múltiplos eventos da especialidade. Página pessoal no CESAM

A Indústria Farmacêutica e a Gestão da Água: caso concreto dos Laboratórios Basi

A discussão de um determinado tema sairá claramente reforçada quanto maior for a diversidade de visões sobre o mesmo. Sem constrangimentos, a presente palestra procura contribuir, através do pensamento da Industria e da apresentação das boas práticas desenvolvidas nos Laboratórios Basi, para uma discussão sóbria e construtiva. Uma visão que se pretende debruçar sobre todos os temas transversais, de onde se destaca a gestão da água como um todo e, ainda, por inerência, a gestão de resíduos. A realidade atual é vivida na lógica do que podemos e devemos fazer no futuro, tendo por base o pensamento de que só com processos de melhoria contínua poderemos atingir os níveis de excelência a que nos propomos diariamente, mitigando desta forma os impactes negativos sobre o ambiente.

Sobre o Orador:

  • Mestre em Engenharia do Ambiente pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra;
  • Auditor de Sistemas de Gestão Integrados – Qualidade, Ambiente e Segurança; *Formador Profissional;
  • Técnico no Departamento de Ambiente e Segurança da Labesfal / Fresenius-Kabi SA;
  • Técnico especialista de Gestão Ambiental e de Segurança no Trabalho nos Laboratórios Basi – Industria Farmacêutica SA.
Remoção de Fármacos na Água Destinada ao Consumo Humano - Um Desafio Emergente

Os fármacos são essenciais à saúde e bem-estar da nossa sociedade, no entanto a sua crescente utilização faz com que sejam encontrados quase ubiquamente no ambiente aquático na Europa. Podem entrar no ciclo da água direta ou indiretamente através das infraestruturas de tratamento de águas residuais e também através de escoamentos agrícolas e rurais e estrume. Como estes compostos não são totalmente biodegradáveis, uma vez presentes no ciclo da água, podem acumular-se gradualmente e representar um risco para os recursos hídricos e os ecossistemas aquáticos. As tecnologias atualmente utilizadas nas estações de tratamento de águas residuais não são totalmente capazes de remover micropoluentes, entre eles os fármacos. De igual forma, o tratamento convencional de água potável comumente empregues para tratamento de águas superficiais não é capaz de eliminar micropoluentes. A remoção de produtos farmacêuticos durante o tratamento da água potável é amplamente dependente das suas propriedades físicas e químicas, e somente alguns processos de tratamento, tais como processos de oxidação, oxidação avançada, PAC, GAC e tratamento por membranas, podem alcançar algum nível de remoção. Por outro lado, grande parte dos fármacos não se encontra regulada, levando a ausência de controlo, impactes no ambiente e potencias riscos para a saúde pública. Perante este cenário, a proteção das origens de água destinadas a consumo humano, um controlo minucioso e a adaptação das tecnologias de tratamento é fundamental, para que se possa garantir e assegurar a máxima qualidade da água abastecida. O confronto com estes novos desafios leva a uma necessidade de alteração do paradigma da contaminação ambiental, da monitorização e do tratamento, bem como de uma integração de todo o ciclo urbano da água e de um reforço na legislação e monitorização.

Sobre a Oradora:
Licenciada em Bioquímica pela Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra, Pós-graduada em Qualidade da Água e Controlo da Poluição pela mesma Universidade, Pós-Graduada em Saúde Ocupacional e Mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Atualmente exerce funções de Responsável pelo Planeamento no Laboratório da Águas do Douro e Paiva, S.A., Grupo Águas de Portugal.

Avaliação preditiva do risco ecoambiental do medicamentos de ação farmacológica – uma análise crítica
Um pedido de autorização de introdução no mercado de um medicamento deve ser acompanhado de uma avaliação da exposição preditiva do potencial risco ambiental da(s) sua(s) substância(s) ativa(s). Essa análise prospetiva é realizada tanto em medicamentos com moléculas novas como em medicamentos com moléculas já existentes no mercado e, portanto, passíveis de poderem surgir no meio hídrico. As principais questões à atual avaliação do risco prendem-se com a ação especifica da molécula como substância ativa, não prevendo em parte a análise retrospetiva e as características específicas de cada região. Medidas de minimização devem ser claramente implementadas e divulgadas.

Sobre a Oradora:
Licenciada em Medicina Veterinária (Lisboa), doutorada em Toxicologia (Hannover). Trabalhou como investigadora na Alemanha e Portugal na área dos efeitos toxicológicos dos químicos no sistema endocrinológico / imunitário assim como na análise / avaliação do risco.

Contaminant antibiotic resistance in aquatic environments

Antibiotic resistant bacteria and antibiotic resistance genes, excreted by humans and other animals, can be found profusely distributed in the environment, in particular in aquatic environments, where they can proliferate and be transported to soil, wildlife, and eventually back to humans. The origins of these contaminants, the drivers that facilitate their proliferation and spreading and the risks they represent will be discussed.

Sobre a Oradora:
Célia Manaia is Associate Professor at Escola Superior de Biotecnologia and is currently Vice-President for Research and Internationalization at the Porto Regional Center of the Catholic University of Portugal. She is coordinator of the Microbiology Bachelor Degree and of 2nd Cycle of Studies (Masters) at Escola Superior de Biotecnologia, where she teaches disciplines in areas of Microbiology and Genetics. She has a background in Biochemistry and specialization in Microbiology, with a Bachelor and Doctoral degrees concluded at University of Coimbra, Portugal, and Habilitation obtained at the Catholic University in Porto. Página pessoal Orcid

Contribuição do IAREN para o estudo de Resíduos Farmacêuticos no Meio Ambiente: Resultados obtidos em estudos feitos nos Rios Douro, Cávado e Leça. Estudos de remoção por processos de oxidação avançada

Devido ao elevado uso e consumo, os compostos farmacêuticos constituem um dos grupos mais importantes dentro dos poluentes emergentes. Além disso este grupo de compostos tem sido detetado e quantificado em águas superficiais com frequência e níveis superiores aos Poluentes Prioritários Como podemos monitorizá-los?: Drogas e metabolitos; descargas contínuas; ausência de dados toxicológicos; falta de conhecimentos no destino e comportamento no meio ambiente; altas concentrações mais interações representam efeitos imprevisíveis. Estes são alguns dos desafios a ter em conta. Como eliminá-los após serem descarregados no meio ambiente? A fotocatálise solar é uma técnica de remediação promissora, podendo ser obtida a mineralização completa de muitos destes compostos usando uma fonte de energia largamente disponível nos países do sul da Europa: Tecnologia verde.

Sobre a Oradora:
Directora do Laboratório de Hidrologia da Faculdade de Farmácia da U.P.; Presidente da Direcção do IAREN - Instituto da Água da Região Norte; Directora do Laboratório do IAREN - Instituto da Água da Região Norte; Professora Convidada do curso de programa de doutoramento: Ciencias del Medio Ambiente y dos Alimentos - Departamento de Química Analitica y Alimentaria da Universidad de Vigo; Professora Convidada do programa de doutoramento em Ciencias del Ambiente, no Departamento de Quimica Analítica e Ambiental da Universidade de La Coruña; Membro da IAEAC- International Association of Environmental and Analytical Chemistry; Secretária Geral da EMEAP- European Mediterranean Association Environmental Education Assessment and Protection de 2004 a 2006 Member of Steering Committee of Norman Association de 2010 a 2014

Photo-degradation of organic contaminants namely pharmaceuticals in aqueous matrices: behaviour under complex matrices

Photo-degradation is one of the most important ways to degrade organic contaminants in the aquatic systems. Solar radiation or low cost LED lights can be a powerful tool to minimize or eliminate the pernicious effects of pharmaceuticals discharged to the environment after been used by humans or domestic animals. However, the complex matrix of the different environments will led to results far away from the data obtained in the laboratory. Several examples of photodegradation of pharmaceuticals using simulated solar radiation will be used to demonstrate the importance, of studies simulating the real environment, on kinetics, type of degradation photoproducts and activity of pharmaceuticals. Environmental or biological impact assessments based solely on laboratory data can lead to disastrous environmental policies.

Sobre o Orador:
Valdemar I. Esteves (PhD 1996) is a member of the Board of Director, since 2006, member of Scientific Council Coordinating Committee, and Principal Investigator of the Research Group – Environmental Analytical Chemistry and Environmental Processes and Pollutants, of the Associate Laboratory, CESAM, since 2006 to September 2018. Member of Scientific Committee of Masters courses and PhD Programs. Has been working in the field of: Environmental Analytical Chemistry, with special interest in the pharmaceuticals in the environment; modified Bio-wastes for remediation of environments contaminated with organic pollutants; photodegradation of organic pollutants; low cost analytical methodologies for environmental analysis. ORCID: 0000-0003-4093-1814

Perspetiva cidadã sobre a questão dos fármacos no ambiente

Sobre a Oradora:
LinkedIn

Uma só saúde: o paradigma e a tríade epidemiológica

A saúde global e a necessidade do envolvimento da comunidade e dos Stakolders enquadrando os documentos legais de que se dispõe.

Sobre a Oradora:
Ana Felix Licenciada em Medicina e Doutorada em Saúde Pública tem assumido vários cargos nesta área tanto em órgãos estatais (Diretora do Laboratório de Saúde Pública da ARS Centro em Aveiro, Responsável pela Consulta do Viajante e Vacinação Internacional, Consultora da DGS para a área da Saúde Pública, integra a Coordenação Nacional do Programa Prioritário da DGS no âmbito do controlo de infeção e resistência aos antimicrobianos (PPCIRA), etc), como na academia (Professora Convidada no Instituto Saúde Pública da Universidade do Porto, docente do Mestrado em Epidemiologia e Saúde Pública Global da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra).

Inscrições

Para formalizar a sua inscrição deverá remeter o ficheiro de inscrição, por email, para o endereço indicado.

Apoios



Localização